Alter-Ego Story


Era uma vez um homem chamado Homem do Sofá, empresário em nome individual, quase gerente de uma pequena loja de sofás. Era um típico homem de meia idade, de olho enrepolhado e cabelo fraco. Apesar de se esforçar por ser  bruto que nem cornos [coisa que a mulher moderna aprecia],  não conseguia cativar o mulherio. Seria a sua voz efeminada que o traia? O andar esquisito? [Aquele que deixa as calças subir na parte de dentro das pernas?] Não.

A primeira impressão não engana e  à primeira parecia um homem normal, pouco especial. Mas,  Homem do Sofá não desanimava. Seguindo, religiosamente, os conselhos do seu terapeuta, todos os dias, ao acordar, treinava ao espelho chocarrices capazes de enrubescer o mais ordinário dos homens, acariciando as suas duas bolas de banha divididas pela cintura improvisada, enquanto apertava o cinto por cima da sua barriga e englotia uma embalagem de farinha pensal e cinco carcaças com manteiga de amendoim, à americana.

Um dia, enquanto jogava umas damas com o seu ajudante a recibos verdes, praticamente anão, entrou-lhe porta adentro, desafiante, Sabrina. Um sonho tornado realidade, não fora o pesadelo de ter começado a cantarolar, voz doce, Something Stupid. Resultado, Sabrina, depois de reclamar tamanha mariquice no livrinho amarelo [já que Nicole não lhe chega às mamas], virou-lhe as costas e entrou na sua limousine da cor do seu fato de banho, acompanhada pelo praticamente anão, verdadeiro Pitbull.

O Homem do sofá, que já tinha perdido os dois primeiros jogos, matou-se em cima de uma linda chaise long, depois de ter tentado, em vão, falar com o seu terapeuta. O pequeno estabelecimento abriu falência, depois da fábrica, no Norte, ter encerrado para festejar o luto.

A chaise long era minha, Pode ser que o Pitbull, praticamente anão, a entregue, de limousine e tudo, juntamente com as almofadas que ainda faltam no sofá!  Uhhh, uhhh! Yeah, yeah! Faz, faz! Bláblá!

publicado por Capa Rota às 21:10 | comentar