Clair de Lune


Se um dia me casar, quero entrar de branco, no registo civil, ao som desta música.

 

Se um dia tiver um filho, quero que nasça ao som desta música.

Se, um dia morrer, quero morrer  ao som desta música.

 

Provavelmente, nenhuma das três acontecerá. E o que eu queria mesmo, mesmo... a única coisa que eu queria mesmo, mesmo, era uma caixinha de música vintage, para adormecer, todos os dias, à luz do luar.

 

publicado por Capa Rota às 00:28 | comentar