E agora, chove até quando?


Queria tanto. Queria mesmo. Queria, educadamente, mas de querer muito, no presente. Queria saber fazer qualquer coisa, só para não fazer o que faço. Fazer para ganhar a vida! Gosto de palhaçadas nas passadeiras rolantes.  E se eu aprendesse, num instantinho, qualquer coisa, enquanto vejo a chuva e os relâmpagos? Quando era nova, a minha madrinha levou com um raio que lhe incendiou o cabelo. Nem assim mudou de profissão. Choverá, neste fim-de-semana?

publicado por Capa Rota às 21:11 | comentar