(Coisas de menina, We'll Always Have Paris)

Pessoas simples, com rigor de aldeia, a pedaços de conversa sobre o azul-magnólia do céu, porque o dia amanhece sempre claro. Aqui, a realidade é suficientemente ficcional mas Paris é Paris. Paris, a ladainha do faz-de-conta sem desvalidos,  rejeitados,  miseráveis,  invertidos, pedantes, indolentes,  patifes,  fracos, desencantados. Porque, como qualquer lugar-comum, a cidade  toca a superfície. Mais do que suficiente para avaliarmos a sensatez das ideias de alguém, sem gafes ou vergonha das questões importantes: 1ª - Gostas de andar à chuva? 2ª- E porque te deixa tão agastado a primeira pergunta?  Não sei se da resposta se do filme,  a ficção volta a ser melhor do que a realidade.

 

['Midnight in Paris' by Woody Allen - Sidney Bechet, "Si Tu Vois Ma Mere".]

publicado por Capa Rota às 15:15 | comentar